sexta-feira, 8 de abril de 2016

Presidente do PT de cidade da Paraíba é assassinado a tiros na frente da filha de um ano

O presidente do Partido dos Trabalhadores (PT) do município de Mogeiro, a 110 km de João Pessoa, Ivanildo Francisco da Silva, de 46 anos, foi assassinado, nessa quarta (6), por volta das 22h, com um tiro de espingarda calibre 12, na cabeça, na casa onde morava no assentamento Padre João Maria, em Mogeiro. Ele também era assentado da reforma agrária e suplente de vereador. O PT na Paraíba divulgou uma nota; veja abaixo. 


Ivanildo estaria só em casa, com a criança, sem a esposa porque ela havia ido dormir na casa do pai. “Hoje (quinta), pela manhã, quando ela retornou, encontrou o marido morto e a filhinha suja de sangue chorando ao redor do corpo. Não temos nenhuma dúvida de que o crime foi encomendado. Espero que a polícia encontre logo os culpados. Não iremos nos calar enquanto a justiça não for feita”, disse o deputado estadual Frei Anstácio (PT). 





O deputado estadual Frei Anastácio (PT) informou nesta quinta (7) que solicitou um delegado especial ao secretário de Segurança Pública da Paraíba, Cláudio leite, para apurar o caso. “Ele foi executado na presença de uma filha de um ano e um mês, que passou a noite inteira ao lado do corpo, que só foi encontrado hoje pela manhã na entrada da casa da vítima”, disse o deputado. 


Ivanildo deixou seis filhos órfãos. O trabalhador rural também foi candidato a vereador nas últimas eleições, em Mogeiro, e ficou na suplência com 157 votos. 


Vítima do latifúndio 


O parlamentar afirmou que Ivanildo teria sido vítima do latifúndio. “Em outubro do ano passado, ele e outros cinco agricultores, em Mogeiro, foram feridos a tiros de espingardas 12 e revólveres 38 por capangas pagos pelos proprietários da terra, quando realizavam um mutirão. Ivanildo era um homem da luta dos trabalhadores do campo e sempre estava dando apoio às ações realizadas pela Comissão Pastoral da Terra (CPT)”, destacou. 


De acordo com Frei Anastácio, os sete capangas que feririam os trabalhadores foram presos pela polícia, mas eles pagaram fiança e estão respondendo aos processos em liberdade. “Essa é a principal suspeita que temos em relação ao assassinato de Ivanildo, que durante a investida dos capangas foi atingido por dois tiros a queima-roupa, mas escapou”, disse Frei Anastácio. 


PT da Paraíba emite nota 


O PT da Paraíba emitiu uma nota para falar sobre o caso; leia na íntegra. 


"Através desta nota, o Partido dos Trabalhadores da Paraíba (PT/PB) denuncia, e lamenta, o assassinato do presidente do PT de Mogeiro, Ivanildo Francisco da Silva (46 anos), ocorrido na noite desta quarta-feira, 6, no assentamento Padre João Maria, em Mogeiro. 


Ivanildo foi morto com um tiro na cabeça disparado por uma espingarda calibre 12. O crime aconteceu na frente da filha de um ano e um mês, que passou a noite inteira ao lado do corpo do pai, que só foi encontrado na manhã desta quinta (7). 


Acreditamos que o presidente do PT de Mogeiro foi vítima do latifúndio, afinal, tinha em sua história a luta pelos trabalhadores do campo, sempre acompanhando e apoiando as ações desenvolvidas pela Comissão Pastoral da Terra (CPT). 


Em 2015, Ivanildo Francisco, e outros agricultores, foram atingidos por disparos feitos por capangas pagos pelos proprietários de uma terra local. Neste caso, os capangas foram presos e liberados após pagamento de fiança. 


Esperamos que a Polícia da Paraíba encontre os verdadeiros culpados pelo assassinado de um grande companheiro de luta, que perdeu a vida por acreditar que a terra é um bem de todos, e não apenas de alguns. 


Ivanildo Francisco deixou seis filhos e uma esposa, mas a sua luta permanecerá firme e forte através de outros homens e outras mulheres. Continuaremos acreditando em dias melhores, com oportunidade para todas e todos, com terra para todas e todos. 

PortalAG1Notícias

    Choose :
  • OR
  • To comment
Nenhum comentário :
Write comentários

loading...
Direitos autorais Portal Timbaúba Notícia. Imagens do modelo de MichaelJay. Tecnologia do Blogger.